Peludos da Anocas: Abril 2012

quarta-feira, 25 de abril de 2012

A História do meu Gato Poirot


O meu Sonho era ter um Gato BRANCO!

O Poirot foi abandonado e esteve muito doente no veterinário, mas a Associação Grupo Voluntários de Cascais e as suas voluntárias, tomaram conta dele e curaram-no.

Dia 7 de Junho de 2009 veio para minha casa, foi a minha prenda de Aniversário!


Foi um gato muito amado. Era um gato muito carinhoso, adorava a nossa companhia, estar em cima de nós.

Um gato extremamemte calmo e que permitia todas as patifarias humanas e dos manos gatos! Um gato lindo!!!


O que ele mais gostava de fazer, adivinhem! Dormir na nossa cama, tal e qual como se fosse um humano e nós adorávamos que assim fosse.


Descobrimos que era diabético em Janeiro de 2010.

Depois dessa data uma série de problemas sugiram: problemas renais, problemas nos olhos...

Todos os dias tomava imensa medicação e era picado para ser medida a glicémia e ser administrada a insulina. Foram 2 anos muito complicados para nós e para ele, mas enquanto ele se mantivesse bem, isso é que era o importante.

Depois do Natal de 2011, tudo começou a piorar, o Poirot começou a emagrecer imenso!


A dificuldade em que ele comesse era enorme! Começámos a dar-lhe só latinhas, ele gostava mais.

Em Janeiro começámos a fazer soro subcutâneo em casa e dar-lhe outros medicamentos para o apetite, mas o Poirot estava a desistir de viver. Só queria estar deitado tapadinho e miava sempre que eu chegava perto dele para os tratamentos.

O meu menino estava cansado, mas eu não estava preparada para o deixar ir.

No dia 16 de Março quando cheguei a casa ele estava deitado nas pedrinhas, geladinho. Para quem não sabe, mas os gatos estarem deitados nas pedrinhas é mau sinal, porque normalmente eles procuram locais quentes. Fui tirá-lo das pedrinhas e verifiquei que tinha sangue no rabinho..., comecei a perceber que o fim estava perto.

Durante a noite acordei e encontrei deitado do chão do quarto geladinho e cheio de sangue! Limpei-o, trouxe-o para dentro da cama para o aquecer e até às 9h mantive-me acordada para me mentalizar do que teria de fazer.

A verdade é que dia 17 de Março, Sábado, fomos com o menino ao veterinário para acabar com o sofrimento.

Esta foi a última foto que lhe tirei, já no veterinário, com a mão do dono, que esteve também sempre presente!!!


Com a anestesia, o meu menino quase que foi para o outro lado do Arco-Íris.

Espero que estejas Feliz meu Adorado Poirot, nós sentimos todos os dias a tua falta, Meu Algodão Doce!

Depois de 1 mês de nos deixares fiz uma Tatuagem para imortalizar todos os Animais que passaram na minha Vida, todos os animais que ajudei, que recolhi, que estão felizes e bem tratados e todos os que ainda irão passar pelas minhas mãos.

Se todos fizermos um pouco, deixará de haver tantos animais a sofrer pelas ruas deste Mundo, dito Civilizado!